“Todo chamado de Deus é uma história de amor única e irrepetível” (São João Paulo II).

Foi assim com aqueles jovens pescadores! Era um dia comum de trabalho. O Sol brilhava, os barcos já estavam preparados e as redes lançadas ao mar. No entanto, foi aquele dia, aquela praia que Jesus escolheu para passar. Não foi por acaso. Nunca é por acaso. Eu diria que foi de caso pensado. Um encontro e um convite: “Vinde após mim eu vos farei pescadores de homens” (Mc 1,17). No mesmo instante, deixaram tudo e O seguiram.

Hoje o Senhor continua a chamar. E chama a todos. Ele toma a iniciativa, vai ao nosso encontro. Ele nos convida a apostar no seu Reino e no seu amor incondicional por cada um de nós. Para aqueles pescadores, o lugar de encontro foi a praia. Mas para nós, o lugar de encontro pode ser: os afazeres do dia a dia, o escritório, uma palavra, uma música, um retiro.

É necessário ficar atento e reconhecer esse Deus que vem ao nosso encontro. Num mundo cada vez mais cheio de distrações e fugas, é importante olhar os sinais. Sinais que muitas vezes surgem do nosso interior: aquela sensação de que está faltando algo, aquele desejo de poder fazer mais, aquela indagação: qual a minha missão no mundo? A vocação faz parte da vida de todo o homem, é aquilo que dá sentido à sua existência, é aquilo que completa!

Vocação, mais do que palavras, é experiência. É o encontro pessoal com o Deus. Um encontro que sacia os anseios do nosso coração e nos coloca em missão. Como experimentou Santa Terezinha do Menino Jesus: ”Deus apenas te pede que te deixes amar”.


Fonte: Andressa Costa

Consagrada da Comunidade Católica Pantokrator

Confira: http://pantokrator.org.br/po/artigos-pantokrator/vocacao-e-preciso-reconhecer-o-chamado-de-deus/

Vocação: É preciso reconhecer o chamado de Deus