Testemunhar o Amor Transpassado

A infinita misericórdia de Deus toca e transforma os mais duros corações.

            Como era a preparação dos Judeus, para que os corpos não ficassem na cruz durante o sábado – porque esse sábado era grande dia! – Pediram a Pilatos que lhes quebrassem as pernas e fossem retirados. Vieram, então, os soldados e quebraram as pernas do primeiro e depois do outro, que foram crucificado com Ele. Chegando a Jesus e vendo-o já morto, não lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados transpassou-lhe o lado com a lança e imediatamente saiu sangue e água. Aquele que viu dá testemunho e o seu testemunho é verdadeiro; e ele sabe que diz a verdade, para que também vós creiais, pois isso aconteceu para que se cumprisse a escritura: Nenhum osso lhe será quebrado. E em outra escritura diz ainda: Olharão para aquele que transpassaram.

            O Carisma Pequenino está fundado na palavra de São João 19, 37: “Olharão para Aquele que transpassaram”. Olhando para o Coração de Jesus, já morto, tendo acabado de entregar sua vida terrena ao Pai. Nesse instante, o centurião fura o Coração de Jesus, para confirmar que estava realmente morto.

            Ao vermos o Coração de Cristo, chagado e transpassado, seu peito aberto pela lança do soldado, não podemos nunca deixar de acreditar no amor do Pai por nós, oferecendo-nos seu Filho, num sacrifício tão extraordinário.

            Os soldados romanos eram pagãos, homens cruéis, que cometiam muitas maldades. Tamanha era a dureza de seus corações, que mesmo vendo e participando da morte de Jesus Cristo seus corações continuaram duros. E dentre esses soldados lá estava Longuinho.

            O Evangelho de São João, testemunha ocular da morte de Jesus, diz que quando o soldado perfurou o lado do Senhor, dali saíram sangue e água. (Jo 19,34). A Tradição diz que essa água que saiu do lado de Cristo, respingou em Longuinhos e ele ficou curado de um problema que tinha nos olhos. E a água do lado de Cristo curou não só os olhos físicos de Longuinho, como também, e principalmente, os olhos de sua alma, pois atribui-se a ele as palavras de um soldado presente na hora da morte de Jesus: “Verdadeiramente este homem era Filho de Deus”. A partir de então, sua vida não foi mais a mesma. Tocado pela graça de Deus, ele se converteu, passou a acreditar em Jesus, e abandonou o exército romano. São Longuinho é uma prova do poder do amor e da misericórdia de Deus. Jesus curou a vida de um soldado que o matava. Foi tocado e alcançado pela misericórdia divina, pois somente a misericórdia divina nos abraça em nossa miséria.

         Quando Jesus teve o Coração transpassado, imediatamente saiu sangue e água” (Jo 19,34). Furaram-lhe o Coração, do qual derramam as graças da salvação sobre a humanidade inteira, a fonte inesgotável, da qual podemos beber, como almas pequenas e sedentas recolher água pura.   Precisamos beber desta fonte, porque Jesus morreu, para que pudéssemos recuperar a alegria eterna que o ser humano já experimentara ao ser criado.

O Carisma pequenino nutri dentro de si o amor ao Sagrado Coração de Jesus, deve buscar a contemplação desse Coração machucado, mas sempre aberto, trazendo sangue purificador.

            Cada pequenina é chamada a vivenciar a experiência e a força desse carisma testemunhando sempre e em tudo o amor transpassado, e não esquecendo nunca de que uma pequenina transborda alegria, nunca deixando de testemunhar a Jesus por meio de um coração alegre e de um rosto feliz, trazendo dentro de si o desejo de viver a Santidade. Pois, Aquele que viu, dá testemunho e seu testemunho é verdadeiro; e ele sabe que fala a verdade, para que vós também acrediteis.

            Enfim, para ser pequena é preciso viver a pequenez a exemplo de Santa Terezinha que dizia: “Nada é pequeno quando o amor é grande”

“O que agrada a Deus em minha pequena alma é que eu ame a minha pequenez e a minha pobreza, é a esperança cega que tenho em Sua misericórdia”. Pois nunca experimentamos a Deus de forma tão profunda como quando nos unimos a Ele na Cruz, assim como São Longuinho tornar-se uma testemunha viva do amor e da misericórdia de Deus levando esse testemunho se preciso até a morte para que o mundo creia.

            Fizemos uma experiência pessoal com o amor de Deus e com a efusão do Espírito Santo. Este mesmo amor e ardor de pentecostes nos impeliu e as chamou a um caminho de seguimento radical do seu Evangelho, vivendo os conselhos evangélicos levando-nos a assumir a vocação à vida religiosa dentro de um carisma específico.

            Partilhamos com Jesus a Passio Domini todas as quintas e sextas-feiras. Veneramos Nossa Senhora com o título de Rosa Mística, imitando-a na sua obediência e amor à santa Igreja representada pelos seus pastores e um profundo amor aos consagrados. Diariamente, mergulhadas na oração comunitária clamamos para que aconteça um novo Pentecostes em nossas vidas e no mundo.

            Nossas Patronas: Nossa Senhora Rosa Mística, Santa Margarida Maria Alacoque, Santa Teresinha e Beata Elena Guerra.

 

 

Atuamos na Igreja de acordo com as suas necessidades, através da pregação e do ensino no Brasil e além fronteiras. Conduzimos retiros de formação e espiritualidade. Realizamos EvangelizaShow com musicas autorais, paródias e canções da Igreja, onde levamos a alegria de sermos salvas capaz de animar a fé do povo de Deus. Evagelizamos também com nossos materiais, livros e CDs de orações voltados para cura e libertação.

Atuamos também com apostolados diversos para o sustento da nossa obra, como:

  • Uma livraria na cidade de Santa Inês, onde as pessoas podem ter um encontro com materiais que os levem a uma fé mais firme.
  • Escola de Arte e Cultura na cidade de Santa Inês, que proporciona a crianças e adolescentes aulas de Ballet, Violão e Canto.
  • Confeitaria Artesanal, na cidade de Bela Vista do Maranhão, na produção de trufas caseiras, bolos de pote, pães caseiros, bolos (tradicionais, recheados e confeitados), cones trufados, doces e salgados em geral.
  • Realizamos Peregrinações a lugares santos (No Brasil) para conduzir as pessoas à uma vida mais devota.

       Como uma nova fundação, desde de 2011. Fomos acolhidas na Diocese de Viana a pedido do Bispo Dom Sebastião Lima Duarte, temos como fundadora Madre Rejane dos Santos.