“Quando se desperta no coração de uma jovem o chamado à vocação religiosa, seu anseio torna-se a profissão dos votos religiosos, sabendo que a partir de então o barco já estará em alto mar. Na alma sente-se um amor vivíssimo e ardente, e é a própria ternura e delicadeza de Deus. A misericórdia nos envolve e nos impele a prosseguir, pois vendo em si tamanha indignidade o coração se constrange com o Amor.

(…) é como se na profissão dos votos religiosos fosse um verdadeiro casamento, a alegria que se prova vai além da explicação humana.

No silêncio da alma, o Esposo chama, e a esposa, ferida pela flecha do amor, diz o seu SIM para sempre …

‘Encontramos o Amado no madeiro; Chagado e humilhado. E é lá, na cruz, onde será muitas vezes o nosso leito nupcial com Aquele que o nosso coração ama.’”

(…) profissão dos votos, verdadeiro casamento (…)